Aviso / Notice

Este blog se encontra desatualizado, inativo e arquivado como conteúdo estático. Eu continuo a eventualmente postar em to-post.it/henriquev. Um serviço simples de blog para usuários de Twitter criado por mim. Todo o conteúdo deste blog continuará existente no mesmo endereço de antes.

This is blog is out-dated, inactive and archived. I continue to post eventually on to-post.it/henriquev. Using a simple blogging service for Twitter users that I created.

Estou também em / find me also on:

Archive for July, 2008



Banana vira pãozinho, mas e o cacho?

Decreto do governador José Serra determina que fruta seja vendida apenas por quilo.
Quem desobedecer a lei terá de pagar multa que varia de R$ 297,60 a R$ 297.600.

Quem vender banana por dúzia em São Paulo será um fora-da-lei de agora em diante. Uma lei sancionada pelo governador José Serra muda o jeito como o paulista vai comprar a fruta. Pelo texto, os comerciantes ficam obrigados a vender a banana por quilo e não mais por dúzia. Quem desobedecer a nova regra pode pagar multa que varia de R$ 297,60 a R$ 297.600.

A lei, de número 13.174, sancionada no dia 23, ainda precisa ser regulamentada pelo governo de São Paulo. Ainda falta, por exemplo, determinar quem vai fiscalizar a venda da banana em mercados e feiras. Pelo texto sancionado, o valor da lei vai variar conforme as condições econômicas do vendedor, a gravidade da transgressão, a quantidade do produto vendido ou reincidência.

Segundo o autor da lei, o deputado Samuel Moreira (PSDB), a mudança atende a uma reivindicação dos produtores da fruta do Vale do Ribeira, região que concentra a maior produção de banana no estado. Os produtores dizem que perdem cerca de R$ 90 milhões, pois vendem a fruta em caixas com capacidade para até 33 quilos da fruta, mas recebem por 20 quilos.

Fonte: SP proíbe a venda de banana por dúzia

Freud explica?

E o cacho? O consumidor vai ter o “direito” de não comprar?

Mais uma que os vagabundos socialistas inventam para atrasar esse país.

Funai quer vetar filme sobre infanticídio indígena

Por Leonel Rocha,
do Correio Braziliense

Brasília - A Fundação Nacional do Índio (Funai) estuda qual instrumento jurídico vai utilizar para impedir, na Justiça, a divulgação do filme Hakani pela Internet e emissoras de televisão brasileiras. Com 36 munutos de duração, o misto de documentário e drama conta a história de duas crianças indígenas enterradas vivas por terem nascido com deficiências físicas e faz parte da campanha contra o infanticídio nas tribos da Amazônia. O ritual ainda é praticado por várias tribos, inclusive os Suruwaha, etinia que vive às margens do Rio Purus, no Amazonas, onde a história do filme se passa. Era nessa aldeia que vivia a menina Hakani. “A Funai está tomando providências para que o vídeo seja retirado do site YouTube, pois entende que o conteúdo denigre a imagem das mais de 220 etnias que vivem no Brasil”, diz a nota da instituição.
Hakani é o nome da menina que nasceu com hipertiroidismo e, por não ter o desenvolvimento físico esperado pela tribo, foi enterrada viva, mas salva pelo irmão mais velho. Depois de abandonada pela família, a criança foi adotada pelo casal de lingüistas Marcia e Edson Suzuki. A menina, atualmente com 13 anos, vive e estuda em Brasília. Com versões em português e em inglês, o filme relata com pequenas adaptações, a história de Hakani e pode ser assistido no site www.hakani.org, criado para ser a principal peça da campanha contra o infanticídio entre indígenas. A história da pequena índia foi revelada pelo Correio/Diário no ano passado.

A Funai considerou “escusa” a origem do filme e teme a generalização inadequada de uma tradição indígena. A fundação admite acionar a Polícia Federal para investigar a legalidade da realização do trabalho. Encarregada pela tutela dos indígenas brasileiros, a direção da entidade entende que a questão abordada pelo vídeo precisa ser tratada em uma ampla discussão sobre os direitos humanos universais e a relatividade cultural deles, envolvendo governo, organizações indígenas e a sociedade em geral.
A Funai conhece a prática, mas garante que não é comum a todas as etinias e, mesmo entre as que ainda a adotam, já há alternativas de adoção das crianças doentes por outras famílias para evitar as mortes.
Com cenas consideradas exageradamente fortes e até criminosas por antropólogos, o filme foi produzido pela organização não-governamental (ONG) Atini — palavra que significa voz pela vida — e financiado pela instituição evangélica Jovens com um ideal (Jocum), que tem sede nos Estados Unidos e vários escritórios no Brasil. A instituição se especializou na evangelização dos índios e no resgate de crianças marcadas para morrer nas tribos por serem portadores de necessidades especiais.

Mercio vê crime na encenação
Brasília — O ex-presidente da Funai Mercio Pereira Gomes pediu a interferência da PF, do Ministério da Justiça e até do Supremo Tribunal Federal para impedir a divulgação do filme. “A encenação é criminosa. Os autores têm que ser processados e os demais responsáveis punidos rigorosamente”, protestou Mercio.

Além das cenas na suposta aldeia Suruwaba, o documentário mostra depoimentos do juiz Renato Mimessi, de Rondônia, defendendo a campanha. Também aparece nas cenas o deputado Francisco Praciano(PT-AM) a declarar, durante sessão da Comissão de Direitas Humanos, que a Constituição brasileira não foi feita para índios.
Com produção digna dos grandes filmes de ficção e dirigido pelo cineasta norte-americano David Cunningham (A última das guerras), o documentário informa que se trata de uma história verídica”. Foi rodado em janeiro em uma fazenda da Jocum, nos arredores de Porto Velho (RO), com a participação de índios de várias etinias que vivem fora das aldeias e trabalharam como atores. Para filmar o enterro das crianças ainda vivas, a produção utilizou um imenso bolo de chocolate para simular a cova. Com roteiro de Kevin Miller, e narração em português da atriz Irene Ravache, o trabalho teve co-produção do brasileiro Enock Freitas e os cineastas aceitaram trabalhar no filme como voluntários.
Os índios que atuaram no filme receberam cachês, mesmo sendo amadores. “O direito à vida é mais importante que o direito de preservar as tradições. Todas as culturas evoluem e precisamos superar essa prática terrível”, comentou o índio Eli Ticuna. No final do filme, a menina aparece contando como está a vida dela hoje, já tratada da doença.

Fonte: Diário de Pernambuco, Sábado, 5 de Julho de 2008. n. 187

Relatividade cultural é o cacete. Em primeiro lugar, ética deve estar acima de tudo e não existe merda de ética relativa de acordo com a cultura, ética é algo absoluto, que vale para todos. O que existe é uma diferente valorização da ética por diferentes culturas tanto em termos qualitativos quanto quantitativos, mas sem interferir no que a propriedade é.

Personal Friend

Tem gente que encontra mercado para tudo, até para a amizade.

Fonte: Depois do personal trainer e stylist, chegou a vez do personal friend, no G1.